A Redução Localizada de Gordura é Real (parte 2)

Continuando o artigo anterior em que afirmámos que afinal a perca de gordura localizada é possível, passaremos a referir como o fazer.
17.01.2018



A ciência diz-nos que existe uma forma de o fazer e que se baseia em:

  • Redireccionar o fluxo sanguíneo para a área gordurosa;
  • Contrair os músculos adjacentes a essa área gordurosa;
  • Temporização e tipo exacto de actividade aeróbica para queimar especificamente mais nessa área.

Se a gordura fria não se mobiliza muito bem, o sentido para melhorar a sua mobilização será aquecê-la. Aumentando o fluxo sanguíneo localizado podemos extrair mais gordura da área problemática. Estudos bastante recentes afirmam que o fluxo sanguíneo e a lipólise são geralmente maiores no tecido adiposo subcutâneo adjacente ao músculo que contrai, sendo que um ataque agudo de exercício pode induzir lipólise pontual e aumento do fluxo sanguíneo no tecido adiposo adjacente à contracção do músculo esquelético. Então as calorias gastas a fazer abdominais de facto irão percentualmente em maior parte sair da área em esforço do que se estivéssemos a gastar calorias caminhando numa passadeira.

Para um regime de definição precisamos maximizar a perda de gordura, especialmente das áreas ditas teimosas, preservando ao máximo a massa muscular. Isso significa que o cardio em jejum logo ao acordar, caminhada na passadeira por cerca de uma hora é a arma primária a utilizar

O cardio em jejum é o momento ideal para usar esses truques de redução de pontos problemáticos de acumulação de gordura, uma vez que no tecido adiposo, o fluxo de ácidos graxos através de uma membrana celular é bidireccional. É externo em tempos de mobilização líquida de gordura, como jejum e exercício e para dentro durante o período pós-prandial (apenas alimentado), estado em que os culturistas passam a maior parte do tempo

O timing é assim crítico. Quando estamos num estado hormonal propício à quebra de gordura, como depois do jejum nocturno, então será hora de colocar estas tácticas em funcionamento:

Passo 1: mantenha a área gorda quente
Antes de subir na passadeira, colocar o cinto de levantamento de peso para trás, então a parte que normalmente está na parte inferior das costas estará na barriga. Isso irá aquecer a área e mantê-la quente enquanto o exercício começa. Idealmente, podemos também tentar usar um desses cintos antigos para a barriga. Estes cinturões de borracha funcionavam a curto prazo, porque eles causam um efeito desidratante local nas áreas problemáticas, pois obrigaram-nas a lidar com o calor. O efeito desidratante é temporário, é claro, mas o efeito de aquecimento e o aumento do fluxo sanguíneo podem ajudar na perda de gordura ao longo do tempo.

Passo 2: Trabalhe os músculos adjacentes ao ponto problemático
Já sabemos que a actividade muscular perto de uma área gordurosa aumenta a quebra da gordura da área. Para conseguir isso, devemos durante a hora de cardio em jejum interromper o mesmo cada 10 minutos e fazer 2 a 3 series de 50 repetições digamos para o abdominal, se for essa a área problemática, ou mesmo um circuito de vários exercícios para a zona média se desejarmos enfatizar a perda de gordura em toda essa área.

Então, com o conjunto de exercícios certo (actividade aeróbica aliada a exercícios que contraiam o musculo adjacente à zona problemática), no tempo correcto (de manhã ao acordar, em jejum) e com a duração adequada (cerca de uma hora), é de facto possível queimar gordura preferencialmente de uma determinada área do corpo, isto desde que a gordura corporal não seja muita alta e pretendamos realmente perder aquela réstia de gordura que falta perder daquela zona corporal que tende a acumular gordura mesmo após o resto do corpo estar bastante definido.

Escrito por:

José Quinta

José Quinta


O que melhorarias neste artigo?




O conteúdo podia ser...





Cancelar

GOSTAS DESTE ARTIGO?